sexta-feira, 17 de julho de 2009

Meio de rio

Como canoa descendo o rio,
tendo como quilha o tempo,
como leme a esperança,
como lastro o amor.
O rumo, o horizonte,
Eu sou o dono do vento.

Lumar(16/07/09)

Um comentário:

Ronaldo disse...

Que o lastro seja leve e flexível para mantê-la no seu rumo, seja esse qual for.