terça-feira, 27 de abril de 2010

Noturna

Um momento quase por acaso.
Feito de sentimento, sou fato.
Embora a noite me embale,
não existe harmonia em mim.
Um instante entre o olhar do sol.
Sou essência e extremos.
Sou o que nunca percebi.
Um momento,
entre o estar e ser.
Um instante que há em mim.
Noite, abandono de medos,
dores que mostram o reflexo do espirito,
espelho que mostra a alma.
Sou fraco e forte,
sou humano errante,
sou assim.

Lumar (27/04/10)

Um comentário:

Joelson disse...

A kda poesia, vc se supera, parabéns.

Parece que foi feita pra mim, não sei pq!

Bjs