segunda-feira, 16 de março de 2009

O mar invade a areia
levando tudo o que vê pela frente.
Tão violento, rápido,
Preciso e imponente.
O mar tão belo.
A vida tão rápida.
Tudo no mesmo turbilhão.
O que estava? O que passou?
O momento. O instante.
E no próximo segundo nada mais restará.
Só o corpo arqueado, sucumbido, acabado,
O corpo em decomposição.
E como o mar lavando a areia,
A dor, a corrosão leva o corpo,
Salva a alma, acaba a escuridão.

Lumar (12/03/09)

Um comentário:

Diga Qualquer Coisa disse...

Maneiras diferentes de ver a vida e a morte.
No fundo e na superfície somos todos iguais, viemos do pó e ao pó voltaremos.