sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Semsentido

Eu aqui de novo...
A mesma mesa,
o mesmo espaço,
o mesmo gosto de solidão.
O copo a lembrar
a bebida que resta para brindar.
A vida que passa sem razão,
razão que escorre dos dedos,
fumaça ao vento.
Eu ainda aqui...
A noite rondando meus medos,
reavivando prazeres escondidos ,
sentidos aguçados pelo ar.
Eu aqui,
sem cais pra aportar,
sem estradas a percorrer,
sem ter pra onde voltar.

Lumar(27/11/09)

2 comentários:

CEFT-Bam disse...

"Carai vei", agora a saudade apertou.
Muito boa mesmo.
Parabéns companheira.
Bjs do Marquinho.

Ronaldo disse...

Uauuu! realmente demais. Sem cais, sem estrada, se onde voltar, mas conte com meus braços para amparar, ouvidos para escutar e olhos para ler suas poesias com alta carga de... inspiração.